Passar para o Conteúdo Principal
siga-nos

Logo VN Cerveira mais AquaMuseu

Projeto NOR-WATER lança rede de colaboração público-privada para a deteção, controlo e mitigação de contaminantes emergentes nas águas do Norte de Portugal e da Galiza

Norwater diptico port vf page 0002 1 980 2500
30 Outubro 2020

Com o objetivo de promover a colaboração transfronteiriça na Eurorregião Norte de Portugal-Galiza numa área de interesse comum como a dos contaminantes emergentes, o projeto NOR-WATER lançou, este mês de outubro, a Rede NOR-WATER. Trata-se de um fórum de colaboração público-privada multidisciplinar em torno deste tema que permitirá o intercâmbio de conhecimentos, a identificação de necessidades e prioridades, e o avanço nas capacidades de detecção, controlo e mitigação dos CE e o seu impacto nos ecossistemas e na saúde pública.

O projeto NOR-WATER, financiado pelo Programa de Cooperação INTERREG VA Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020 e iniciado em abril de 2019, tem como principais objetivos identificar os contaminantes emergentes e as suas fontes nas bacias hidrográficas do Norte de Portugal e Galiza, desenvolver novos métodos e ferramentas analíticas para monitorizar e prever o seu comportamento e riscos ecotoxicológicos e desenvolver sistemas de tratamento de águas residuais que favoreçam a sua eliminação. Paralelamente, são contempladas atividades de educação e sensibilização ambiental, bem como ações para promover a transferência dos resultados para as administrações competentes e empresas tecnológicas responsáveis pela deporação da água.

A Rede NOR-WATER é criada com o objetivo de expansão e continuidade para além do consórcio atual e da vida do projeto e está aberta à participação, entre outros, de administrações e órgãos governamentais responsáveis pelo controle, monitorização, gestão e / ou melhoria da qualidade da água; laboratórios de monitorização e controle, empresas responsáveis pela depuração da água, empresas de desenvolvimento tecnológico, centros de investigação, centros tecnológicos e associações ambientais, além de ONGs que desenvolvam atividades relacionadas com a educação ambiental e sensibilização sobre a qualidade da água.

Os contaminantes emergentes (CE) são compostos de diversas origens e natureza química, cuja presença no meio ambiente não foi considerada no passado e, portanto, existem pouco estudados a nível científico. Compreendem uma ampla gama de compostos químicos, como fármacos, produtos de higiene pessoal, retardantes de chama, surfactantes, plastificantes e aditivos industriais, entre outros. Em muitos casos, desconhece-se se constituem um risco para ambiente, ou se apresentam potenciais efeitos adversos para a saúde humana. Em 2015, a União Europeia lançou uma lista de observação, “Watch List” (Decisão 2015/495) para monitorizar, entre outros, estes contaminantes no âmbito da Diretiva Quadro da Água (DQA) com vista a uma eventual regulamentação no futuro.

Na página web do projeto http://nor-water.eu/ podem ser consultados todos os resultados, publicações e ferramentas gerados ao longo da vida do projeto bem como os resultados da atividade da Rede. As entidades interessadas poderão aderir à Rede por meio de um formulário online que lhes permitirá participar nas atividades da mesma, aceder a informação e documentação relevante e entrar em contato com organizações complementares.

Orçamento e consorcio

Com um orçamento de 579.475,40 euros, o projeto é coordenado pelo Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto, e envolve a Universidade de Santiago de Compostela; o Instituto Tecnológico de Controle do Meio Marinho (INTECMAR); Centro Tecnológico do Mar (CETMAR), Agência Portuguesa do Ambiente (APA); as Câmaras Municipais de Viana do Castelo (Centro Monitorização e Interpretação Ambiental) e Vila Nova de Cerveira (Aquamuseu do Rio Minho); e o Laboratório Associado LSRE-LCM (Laboratório de Processos de Separação e Reação - Laboratório de Catálise e Materiais) da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

O NOR-WATER conta ainda com a colaboração da ANABAM (Associação Naturalista Baixo Minho), bem como com um Conselho Consultivo no qual participam entidades públicas com competências no âmbito da gestão da água e da saúde como a EFACEC e Águas do Norte, por Portugal, e Águas da Galiza, a Confederação Hidrográfica Miño-Sil e a Direcção-Geral de Saúde Pública (Ministério da Saúde - Xunta de Galicia) por parte da Galiza.