Passar para o Conteúdo Principal
siga-nos

Logo VN Cerveira mais AquaMuseu

Parceiros europeus do ‘CHERISH’ visitam Aquamuseu do rio Minho para conhecer boa prática

Img 6347 1 980 2500
24 Outubro 2019

A Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM do Alto Minho) está a receber, até esta sexta-feira, os parceiros do projeto de cooperação inter-regional ‘CHERISH’, cofinanciado pelo Programa Interreg Europe, e que visa a proteção e valorização das comunidades piscatórias. O Aquamuseu do rio Minho foi um dos pontos de visita obrigatória, dando a conhecer o vasto trabalho desenvolvido em prol da bacia hidrográfica do rio Minho.

Os 34 parceiros e stakeholders do ‘CHERISH’ - Creating opportunities for regional growth through promoting Cultural HERitage of fISHing communities in Europe, oriundos de oito países - Holanda (Município de Middelburg), Letónia (Riga Planning Region), Espanha (Conselho Insular de Malhorca), Grécia (Município de Kavala), Portugal (CIM Alto Minho), Chipre (Development co. Pafos Ltd.), Itália (Região de Abruzzo) e Alemanha (EUCC - Coastal Union Germany) – estão reunidos com o propósito de contribuir para a melhoria das políticas regionais de desenvolvimento que protegem e promovem o património cultural das comunidades piscatórias, reforçando a atratividade destas regiões para as empresas, cidadãos e turistas.

Na receção de boas-vindas ao grupo, o Presidente da Câmara Municipal reforçou a forte aposta da CIM Alto Minho na economia do mar, com vários projetos, destacando o Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) que visa promover, em territórios específicos, o desenvolvimento local e a diversificação das economias de base rural e das zonas pesqueiras e costeiras.

Fernando Nogueira sublinhou ainda a importância do Aquamuseu do rio Minho como um espaço público, de interesse supramunicipal, “que transporta para dentro de quatro paredes toda a riqueza do rio Minho, ao longo da sua extensão de 75kms”. Antes de formalizar a parceria no ‘CHERISH’, através da assinatura do respetivo acordo, Fernando Nogueira lembrou que o Aquamuseu do Rio Minho já dispõe de um trabalho diversificado e de excelência nas vertentes didático-cultural, investigação científica e turística, podendo dar um contributo muito significativo para este projeto.

Durante estes três dias, os participantes deste projeto europeu têm a oportunidade de conhecer projetos e boas práticas do Alto Minho e Esposende ligadas às comunidades piscatórias, nomeadamente o Projeto AmareMar (Esposende), o Aquamuseu do rio Minho de Vila Nova de Cerveira, as tradições ligadas ao Navio Gil Eannes, o projeto Lugar do Real – Aldeias de Mar (Ao Norte), as Conservas da Vianapesca e a recolha de sargaço em Castelo do Neiva.

O programa prevê ainda a realização de um workshop, no Núcleo Museológico do Sargaço de Castelo do Neiva, ligado aos saberes tradicionais ecológicos (Traditional Ecological Knowledge), durante o qual os participantes ficarão a conhecer as tradições ligadas à recolha de sargaço, incluindo um “storytelling” sobre Maria do Céu, a sargaceira de Castelo do Neiva.